Guanambi: Insinuante/Ricardo Eletro fecharam as portas devido a Ação de Despejo ordenada pela Justiça.

0
20

Na última quinta-feira (14), a loja Insinuante/Ricardo Eletro de Guanambi, encerrou as suas atividades após 25 anos de funcionamento no município. O grupo vem enfrentando uma profunda crise financeira o que culminou com o fechamento de unidades na Bahia, a exemplo da loja de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. Porém, conforme apurado pela Rádio 106 FM de Guanambi, o fechamento da loja se deu por outros motivos que agravam mais a situação. A filial da Insinuante/Ricardo Eletro de Guanambi foi alvo de uma ação de despejo provocado pelo proprietário do ponto comercial, devido a pagamentos do aluguel do espaço pela metade ou a falta de pagamento da locação do espaço. Essa falta de pagamento completava quase dois anos, o que motivou, por parte do dono, a ação de despejo.

A ausência dos pagamentos, que eram feitos via depósito bancário na conta do dono do imóvel, já vinha se arrastando desde 2017, acumulando o montante da dívida que ultrapassa mais de R$ 200 mil. Agora, a dívida está sendo cobrada na Justiça.

A Ricardo Eletro, já estava sendo alvo de diversas ações de despejo desde 2017. Mediante a situação, a empresa impetrou na Justiça uma Ação Renovatória, já que o dono do imóvel recusou a retomar um novo contrato de locação. A Ricardo Eletro, por sua vez, alegou que sempre pagou os aluguéis em dia, incluindo seguro contra incêndio e IPTU. Segundo consta nos autos da sentença “no período compreendido entre os meses de 01/2017 a 06/2017 os pagamentos ocorreram, ainda que com atraso, havendo alteração no mês com vencimento em 07/2017, com aumento do desconto do imposto de renda, e pagamento no valor de R$ 7.891,88 (sete mil, oitocentos e noventa e um reais e oitenta e oito centavos); ocorre que, partir do mês 09/2017 os pagamentos começaram a oscilar: no referido relatório analítico não há registro de pagamento com vencimento no mês 09/2017, há registro de pagamento com vencimento no mês 10/2017, a menor, com aumento do desconto do imposto de renda, e 02 (dois) pagamentos referentes ao mês de novembro, nos valores de R$ 8.761,24 (oito mil, setecentos e sessenta e um reais e vinte e quatro centavos), sendo possível pressupor que compensou-se o mês 09/2017, até então sem pagamento, não havendo registro de pagamento com vencimento no mês 12/2017.”

Porém a Justiça guanambiense identificou também a falta de pagamento dos aluguéis referente aos vencimentos “em janeiro/18, fevereiro/2018 e março/2018, nem nos demais meses que se sucederam até o ingresso da ação, que se deu em 03/07/2018”. Diante disso, o Juiz de Direito da Comarca de Guanambi, Bel. Almir Edson Lélis Lima decidiu ser improcedente a ação e condenou a rede varejista a pagar todos os custos da ação, fixado em 15% do valor da causa que é de R$ 130.624,20. A ação foi julgada no dia 23 de setembro de 2019. Três dias depois, no dia 26 de setembro, a Justiça local deferiu uma Decisão Liminar com Ação de Despejo contra a Ricardo Eletro, dando o prazo de 15 dias para a desocupação do imóvel, o que aconteceu no último dia 14 de novembro, quando a empresa encerrou suas atividades em Guanambi e retirou todos os seus pertences do imóvel situado no centro de Guanambi.

Nesta quarta-feira (20), houve a primeira audiência de conciliação, visando os pagamentos dos aluguéis atrasados. Os donos do imóvel propuseram a Ricardo Eletro fazer os pagamentos atrasados parcelados em 60 vezes. Porém, segundo o dono do imóvel, a empresa não aceitou a proposta. A justiça local fixou um prazo de 15 dias para realizar uma nova audiência de conciliação para que o impasse chegue ao final.

A direção da filial Ricardo Eletro em Guanambi, informou que a loja retornará as atividades em 2020, em um ponto na Rua Rui Barbosa. Segundo apurado pela redação da 106 FM, um ponto menor no referido logradouro estaria sendo negociado para a reabertura da loja.


Willian Silva – 106 FM Guanambi